Tatuagem de 2500 anos!

A múmia de uma princesa, chamada Ukok, foi encontrada na Rússia há alguns anos e estava sendo reconstiduída, para a surpresa da cientista envolvida, ela apresenta várias tatuagens intactas.

Segundo o Siberian Times, o povo Pazyryk, ao qual a princesa pertencia, utilizava as tatuagens como uma espécie de identificação pessoal e acreditava que os desenhos seriam úteis na vida após a morte, além de ser uma forma de expressar pensamentos e posições sociais e tinham relação com a idade e o status ao qual a pessoa pertencia. Esse povo era nômade e viveu no século 5 a.C.!

Nesse caso, as tatuagens no ombro esquerdo da princesa mostram um animal fantástico mitológico: um cervo com o bico de grifo e chifres de capricórnio. Os chifres são decorados com as cabeças de grifos. E a cabeça do grifo é mostrada na parte de trás do animal. A boca de uma pantera manchada com uma longa cauda é vista nas pernas de uma ovelha. Ela também tem a cabeça de um cervo com chifres grandes em seu pulso. Há um desenho sobre o corpo do animal em um polegar da mão esquerda.

A múmia permanece em um sarcófago de vidro permanente no Museu Nacional de Gorno-Altaisk, na República de Altai, e eventualmente será exibida para os visitantes.

Tatuagem realmente é uma coisa muuuuito antiga e comum em muitas sociedades, mais um motivo que não justifica o preconceito que algumas pessoas ainda tem.

Comentários